Wikileaks: Atualização sobre política interna, 14 a 18 de agosto de 2006

Wikileaks: Atualização sobre política interna, 14 a 18 de agosto de 2006

Após o início oficial da campanha eleitoral de 2006, esse cable trata do primeiro debate entre os candidatos a presidência (em que Lula não compareceu), a mensagem do então presidente do TSE alertando para que as pessoas não votem em cadidatos sob suspeita de corrupção, a CPI do escândalo “sanguessuga” e finaliza com comentário sobre a campanha eleitoral na televisão.

75439 8/18/2006 18:50 06BRASILIA1744 Embassy Brasilia UNCLASSIFIED//FOR OFFICIAL USE ONLY

UNCLAS SECTION 01 OF 02 BRASILIA 001744 SIPDIS SENSITIVE SIPDIS E.O. 12958: N/A

TAGS: PGOV, PREL, ECON, BR

Assunto: Brasil: Atualização sobre política interna, 14 a 18 de agosto de 2006

1. Resumo: A temporada de campanha já está ocorrendo em todo Brasil. O primeiro debate entre os candidatos a presidente foi em 14 de agosto, mas o presidente Lula não participou, embora os outros candidatos tenham feito dele o foco do programa de duas horas. Em 15 de agosto, iniciou o horário eleitoral gratuito na tv. Corrupção no governo continua a ser um dos principais itens na pauta do debate eleitoral; entretanto, até o momento, a imagem de Lula parece intacta.

Lula não comparece em debate na tv, mesmo assim é o foco
2. Lula não compareceu no primeiro debate da temporada eleitoral, em 14 de agosto. Todos os demais candidatos participaram: Geraldo Alckmin (PSDB), Heloisa Helena (PSOL), Luciano Bivar (PSL), Cristovam Buarque (PDT) e José Eymael (PSDC). Lula disse que só participaria de um debate se houvesse segundo turno; mas mudou de posição em 17 de agosto, dizendo que participará “quando isso for útil”. (Isso deve ser uma resposta às críticas da campanha de Geraldo Alckmin na tv.) O debate não causou grande reação da mídia ou da opinião pública, sendo caracterizado pela Folha de São Paulo como “entediante”.

Corrupção nas eleições
3. Antes do primeiro debate na televisão, e aparentemente após a revisão de uma longa lista de veteranos em escândalos políticos buscando reeleição, Marco Aurélio Mello, presidente do TSE, pediu aos brasileiros para votar contra a corrupção em mensagem transmitida na tv. Dias depois, repetiu o pedido de forma mais enfática, alertando os eleitores para que não votassem em candidatos sob suspeita, e disse que algumas mensagens veiculadas nas campanhas eram enganosas. Mello também multou Lula em 900.000 reais por exibir anúncios de campanha fora do horário determinado. Candidatos de oposição também acusaram Lula de exibir propaganda enganosa, pois projetos públicos em diversas cidades ainda não tinham sido completados.

Mais deputados envolvidos no escândalo “sanguessuga”
4. A CPI investigando o escândalo “sanguessuga” indicou outros 27 deputados como suspeitos e pediu ao STF para iniciar investigações contra eles. (Nota: o escândalo está centrado em fraudes na legislação sobre o orçamento para ambulâncias e outros serviços prestados pelos municípios.) Isso traz o número de membros do congresso acusados para 99, embora a CPI tenha pedido para o STF investigar 84. O trabalho da CPI tem se baseado em evidências documentais e tem apresentado resultados impressionantes. Isso traz más notícias para a coalizão liderada pelo PT, pois lembra aos eleitores que muitos dos acusados no escândalo do mensalão ano passado e os atuais envolvidos no escândalo “sanguessuga” são membros dos pequenos partidos de aluguel que fazem parte da coalizão. Não há indicações, até o momento, de que a popularidade de Lula tenha sido afetada, mesmo após mais de um ano de escândalos afetando o partido do presidente e o congresso.

5. Comentário: Em um país vasto, unificado por uma das maiores audiências de telespectadores do mundo, a campanha na tv é importante, e Alckmin espera que seja decisiva. Mas, depois de apenas quatro dias do início da campanha no rádio e na tv, ainda é cedo para ver algum impacto. Pesquisas de intenção de voto apontam Lula com uma vantagem de dois para um, embora alguns especialistas acreditem que ele está se aproximando de um ponto máximo. Sete semanas pode ser um longo período para a política de qualquer um, e o Brasil não é exceção. Mas a avaliação de muitos analistas aqui é de que a única chance de Alckmin tentar levar a eleição para o segundo turno. A campanha de Alckmin precisa crescer nas próximas três ou quatro semanas e ainda esperar por uma falha política ou retórica de Lula.

Receba os posts do blog em seu email!


2011-03-01T02:19:16+00:00 março 2011|Aleatório|

Deixar Um Comentário