Chegou a hora de o Parlamento mostrar seu valor

Chegou a hora de o Parlamento mostrar seu valor

por Ariane Leitão

O poeta Cazuza cantava em prosa e verso o desejo de “um amor tranqüilo”. Entretanto, para milhões de gays, lésbicas, transexuais e transgêneros brasileiros, o direito fundamental de buscar a felicidade é impedido cotidianamente pela ameaça da violência oriunda do preconceito e pela carência de proteção legal.

Nossa Porto Alegre possuí uma história de respeito a diversidade e de convivência harmônica entre diferenças. Somos uma cidade formada por pessoas que vieram de muitos cantos do país e do mundo em busca de uma vida melhor e conseguiram. Formamos uma capital cosmopolita e com boa qualidade de vida, referência internacional em participação e democracia.

Contudo, na contemporaneidade, a construção de uma cidade mais democrática incluí a ampliação da expressão pública das subjetividades, ou seja, é necessário trazer para a esfera pública a liberdade das pessoas manifestarem plenamente e sem medo a sua orientação sexual. Portanto, a cidade que precisamos projetar para o futuro é a capital da democracia e da igualdade, onde todos tem voz e vez e são respeitados como são.

É, justamente, por um país e uma cidade livres do preconceito e da violência que milhares de pessoas tomarão as ruas da capital na 15ª Parada Livre. O objetivo é dar visibilidade para a comunidade LGBT e pressionar os parlamentares a aprovarem o PL nº 122/06, que criminaliza a homofobia (colocando-a no mesmo status do crime de racismo) e que está no Senado aguardando votação.

A proteção legal é fundamental para findarmos com a violência e as mortes geradas pela homofobia, no Brasil um homossexual é morto a cada 36 horas. Nossa sociedade e cidade multicultural só tem benefícios quando valoriza a diversidade, enfrenta o preconceito! Neste ano, o STF reconheceu a união civil homoafetiva, uma conquista da comunidade LGBT nos tribunais. Agora, chegou a hora de o parlamento mostrar seu valor.

Ariane Leitão
Outra Visão — Direitos Humanos

2011-10-31T20:18:04+00:00 outubro 2011|Opinião|

Deixar Um Comentário