Frida Kahlo – à revolução

Frida Kahlo – à revolução

Nos dias 11, 12 e 13 de março, a Secretaria Municipal da Cultura de Porto Alegre promoverá uma homenagem ao dia internacional da mulher, com atividades gratuitas. No primeiro dia, haverá o bate papo Kahlo e a percepção do feminino e depois seguem apresentações do espetáculo “Frida Kahlo, à Revolução!” durante todo o final de semana.

O espetáculo, escrito por Juçara Gaspar e dirigido por Daniel Colin, é focado no princípio revolucionário, com a própria Frida conduzindo o espectador por uma redescoberta ética e estética, da arte como denúncia solidária e solitária, possível através da mágica que é o fazer teatral. O bate papo contará com convidadas especiais, que conduzirão um diálogo sobre discussão de gênero a partir de Frida Kahlo.

Serviço:

Bate papo
11 de março, 6ª-feira, às 19h30
Sala Álvaro Moreyra
Convidadas:
Cláudia Prates, representante da Marcha Mundial das mulheres
Bárbara Wilbertt, diretora de formação e cultura do SINTRAJUFE
Enid Backes, socióloga e feminista
Mediação de Ana Fagundes, Secretária Adjunta de Cultura

Frida Kahlo – à revolução
11, 12 e 13 de março
Sexta e sábado às 21h, domingo às 20h
Teatro Renascença
Entrada franca (distribuição de senhas 1h antes)

Sinopse
Frida Kahlo, à Revolução! é um exercício de paixão sobre o ato de SER em seu estado completo e imprescindível, que desvela a maquiagem espessa com a qual os modismos tentaram tornar a Pintora mexicana e sua obra palatáveis. Com texto inédito, focado no princípio revolucionário, é a própria Frida que nos conduz por esta redescoberta ética e estética, da arte como denúncia solidária e solitária, possível através da mágica que é o fazer teatral. A trilha sonora é executada ao vivo, criada pelo músico Luciano Alves especialmente para este espetáculo, que traz Daniel Colin na direção e Juçara Gaspar na atuação e no trabalho de pesquisa.

“André Breton disse certa vez que a obra de Frida Kahlo era uma fita ao redor de uma bomba. Fomos construindo nosso espetáculo sobre esta imagem focando hora na fita, hora na bomba, já que não se pode separar a Frida da exuberância pura, do temperamento e genialidade explosiva, misturados com tanta tragédia e vibrando numa feminilidade quase santificada. O mais importante é perceber a delicadeza com que Frida Kahlo foi atando todos os destroços dos quais foi feita: coluna vertebral, coração, alma. Todos destroçados. Frida, talvez mais do que ninguém, tenha conseguido expressar sentimentos tão horríveis de maneira tão singela e particular. Inesquecível. Por isso esta é a nossa Frida Kahlo: a beleza da fita envolta na dureza da bomba.” (Daniel Colin, diretor)

Ficha técnica
Pesquisa e Atuação: Juçara Gaspar
Direção: Daniel Colin
Trilha Original Ao Vivo: Luciano Alves,
Iluminação: Carol Zimmer
Preparação Corporal e Coreográfica: Daniele Zill
Cenografia: Lara Coletti
Fotos: Carlos Sillero e Beatriz Sallet
Pesquisa de figurino e maquiagem: Juçara Gaspar

2011-03-10T19:07:00+00:00 março 2011|Entreterimento|

Deixar Um Comentário